quinta-feira, 23 de maio de 2013

Menos mimimi, mais hahaha


ATENÇÃO: Não é texto de humor.

Em um ano de blog, eu nunca usei esse espaço para desabafar sobre coisas que eu não concordo ou não entendo dentro do humor. Na realidade, eu não tenho nada contra o humor, eu tenho algo contra são com as pessoas que não entendem (ou fingem que não entendem) uma piada e querem “causar” às custas dos humoristas.

Na boa, qual é o problema delas? Será que elas não entendem o significado da palavra PIADA?

Para quem não sabe qual é o significado, tem uma definição que eu curto muito: “Piada é um conto curto e humorístico, utilizando situações críticas para levar ao riso”.

Entendem? Uma piada baseia-se no cotidiano e em situações críticas para causar uma reflexão sobre os problemas do mundo com uma pegada mais leve e descontraída. Por esse motivo, uma piada NÃO é necessariamente a OPINIÃO de quem a faz.

O humor foi apresentado pra mim em 2009, quando eu conheci e comecei a assistir alguns shows de comediantes famosos como o Danilo Gentili e o Maurício Meirelles e então comecei a escrever meus próprios textos e minhas próprias piadas inspirados neles. Hoje em dia, é como se o humor fosse o meu “segundo trabalho”. E é bem complicado quando as pessoas começam a criticar um trabalho no qual você se dedica e tudo mais. Eu sou do tipo de pessoa que sabe aceitar críticas numa boa, mas tem coisas que eu acho ridículo vindo de certas pessoas.

Eu nunca falei ou me queixei sobre más interpretações das minhas piadas (apesar delas sempre existirem), mas de uns tempos pra cá isso começou a me incomodar profundamente.

Inclusive, vou citar um exemplo que me aconteceu essa semana:

Eu postei a seguinte frase no Facebook:


Nem chega a ser uma piada, está mais para um comentário engraçadinho. O que eu quis fazer foi criticar as pessoas que dizem que tudo o que a Globo faz é uma forma de manipulação. Sabe aquela coisa de “a Globo manipula e blá blá blá”? Então, a maioria das pessoas não sabem nada sobre manipulação, crítica social ou comercialização na mídia, mas elas precisam pagar de intelectuais e dizer que são ‘contra’ a Globo, ‘contra’ a VEJA e dizer que a novela das nove promove o capitalismo (e geralmente falam sobre capitalismo sem nem mesmo terem lido alguma ideia de Karl Marx ou de algum outro socialista). Eu não curto esse tipo de pensamento porque, quem diz isso, geralmente está dizendo por puro modismo. E foi justamente isso que eu quis criticar fazendo essa piada.

Aí eu postei, algumas pessoas curtiram, porém, alguns minutos depois de ter postado, vejo o seguinte comentário lá:


Aí eu me perguntei: “Será que eu fiz alguma coisa?”. É uma piada, gente. Não falei nada demais. O que foi? Você tá achando que eu tô falando ‘mal’ do Papa? Qual é...

Só que não parou por aí. Mais tarde, veio outro comentário desnecessário:


Cara, na boa, quanta ignorância. Chega a ser ridículo certas coisas que certas pessoas fazem por falta de interpretação. Eu sou da seguinte ideia: se você leu uma piada e gostou: ótimo!, mas se não gostou: segue em frente, cara, vai viver sua vida.

Eu não estou escrevendo esse texto para causar polêmica com ninguém, até porque, apesar do ocorrido, eu tenho consideração pelas duas pessoas que comentaram isso. Eu só queria fazer um desabafo porque eu não aguento mais tanto mimimi por causa de piada, ainda mais quando você acha que isso só acontece com o Rafinha Bastos e, de repente, começa a acontecer o mesmo com você.

Pra finalizar, só queria fazer um pedido: galera, parem de se preocupar com coisas que não foram feitas para causar preocupação em ninguém, piada é piada, parem com tanto mimimi. Como diz o título do post: menos mimimi e mais hahaha, por favor!

Um comentário:

  1. Acho que toda exposição traz críticas, a favor e contra. Sempre vão ter os que o admiram e do outro lado, os que se opõem e criticam negativamente.
    Muitas pessoas criticam e julgam por não respeitarem a liberdade de expressão dos outros.
    Eu admiro muito o humor não defendo a ideia do "humor sem limite". Acredito que exista sim um limite, que vai até onde respeite o outro. Um exemplo é o Rafinha Bastos que já tive oportunidade em ir no Stand-up e não me senti a vontade em ver um humor que humilha o outro, isso é uma coisa que não admito.


    ResponderExcluir